Católicos de Condado fazem prece e pedem chuvas como providencia divina

201

A situação cíclica que se abate sobre a região pela ausência de chuvas tem ocasionado uma realidade devastadora.

Munícipios agonizam pelo colapso hídrico de importantes açudes, entre eles o de Coremas que chegou a um estágio jamais visto em toda a sua história.

Outro que aponta um cenário surpreendente é o da cidade de Condado, atingido implacavelmente pela estiagem que já dura anos.

Diante da realidade e da incerteza do que virá alguns moradores (foto) estão se valendo da fé, como alternativa, para pedir a Deus a infinita misericórdia.

A esperança é que o divino possa afastar o que está sendo considerado um dos maiores flagelos dos últimos trinta anos.

Convivendo com o que hoje parece mais um castigo, fiéis católicos estão participando de um ato religioso no açude “Engenheiro Arcoverde”, também conhecido como “Açude de Condado”.

Construído pelo DNOCS entre os anos de 1932 e 1936, cuja administração está sob a responsabilidade da Agência Nacional de Águas (ANA), hoje está praticamente seco.

O momento também tem servido para pedir perdão pela destruição da natureza e clamar pelo envio de chuvas.

Conforme registro do Portal Liberdade PB, o grupo canta e reza pedindo que o próximo inverno seja suficiente para reabastecer em parte o manancial hídrico e que boas chuvas possam ser registradas na cidade.

A quantidade de pessoas reunidas chega a chamar a atenção de quem passa pela BR 230, cuja barragem do açude é cortada em seu perímetro urbano.

A mobilização de cunho espiritual se define em  mais um capitulo na história da seca na região do Sertão cuja população vive, nessa travessia, uma série de dificuldades.
“Temos que pedir a todo o momento por essa intervenção e esperar a misericórdia de Deus”, disse uma moradora de 65 anos.

Marcelino Neto

Essa matéria já foi vista2563