Lindolfo explica sentença do Juiz Eleitoral que lhe deixou inelegível por 8 anos

157

O Deputado Lindolfo Pires (PROS), veio a publicar declarar que se encontra tranquilo, sereno com a decisão do Juiz da 35ª ZE de Sousa, que acolheu em parte decisão em sentença que lhe deixou inelegível por 8 anos.

Ação tramitava desde o dia 04 de outubro de 2012, as vésperas da eleição municipal, quando o Deputado concorria à prefeitura contra seu primo, André Gadelha (PMDB).

O Veículo particular do Deputado Lindolfo Pires foi flagrado após denuncia dos seus adversários pela Polícia Federal no Centro da Cidade contendo materiais de campanha, e certa importância em dinheiro, o que foi alegado abuso do poder econômico.

A defesa do Deputado Lindolfo Pires foi apresentada ao juízo da 35ª ZE, e desde então que Ação de Investigação Eleitoral vinha tramitando. Somente na tarde desta terça-feira (28), a sentença prolatada, reconhecendo em parte o dolo, e tornando o deputado sousense, inelegível.

Lindolfo disse que recebeu a noticia surpreso. Afirmou que não concordava com a sentença, e para tanto seus advogado já remanejavam recursos em 1ª Instância para que nos embargos que serão oferecidos, esclarecer ao Juiz Dr. Fabiano Graçascostas, fatos por menores, assim entender, reformar a decisão.

– Em 2012 alegavam que meu Carro estava no calçadão, e o motorista saiu e foi até a Sorveteria Mareni tomar um sorvete. Os adversários diziam que eu estava comprando votos. A Polícia Federal foi até meu Carro, e viu que não estava comprando votos, logicamente. Como é que um Carro pode comprar votos? Um parente meu estava dirigindo o Carro, disse.

Lindolfo explicou que foi encontrada uma quantia em dinheiro, cerca de R$ 1,6 mil reais, durante as buscas feitas pela Polícia Federal, o que nada caracterizava compra de votos.

– A Delegada da Polícia Federal, acredito, agindo de má fé naquela ocasião fez ilação dizendo que havia abuso, compra de votos, e captação ilícita de sufrágio, abuso do poder por haver R$ 1,6 mil no Carro, coisa que foi devidamente comprovado nos autos a origem do dinheiro, e por que aquele dinheiro estava lá, é tanto que o Juiz afastou esse tipo de condenação, como os nossos adversários diziam que era compra de votos, disse.

Durante esclarecimentos sobre o assunto, Lindolfo comentou que o Juiz da 35ª ZE descartou um das acusações que era compra de votos, mas lhe condenou no quesito abuso de poder econômico, e disse:

– Por que achou que na minha conta física eu movimentei uma quantia em dinheiro, e ele achou que aquela quantia poderia ter ida exatamente para a campanha politica. Isso me dá a tranquilidade que a campanha foi feita as minhas custas, comentou.

Finalizando, o Deputado Sousense reiterou que buscaria com os embargos apresentados ao Juiz a reformulação da decisão, caso contrário, recorreria ao Tribunal Regional Eleitoral, por se encontrar tranquilo sobre a questão.