Terça, 01 de Dezembro de 2020
00 00000-0000
Paraíba Paraíba

Justiça condena ex-prefeito da Paraíba por improbidade e manda devolver R$ 1,7 milhão

Justiça condena ex-prefeito da Paraíba por improbidade e manda devolver R$ 1,7 milhão

04/11/2020 20h01
394
Por: Mais São Bento
Justiça condena ex-prefeito da Paraíba por improbidade e manda devolver R$ 1,7 milhão

O ex-prefeito da cidade de Imaculada, José Ribamar da Silva, entrou na mira da Justiça. Ele foi condenado por improbidade administrativa por irregularidades supostamente cometidas no exercício de 2009, quando era gestor municipal.

Pela decisão, José Ribamar terá que ressarcir um suposto dano de R$ 1,7 milhão e ainda foi condenado à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por oito anos e ao pagamento de uma multa de aproximadamente R$ 3,5 milhões.

A decisão atendeu uma ação civil pública movida pelo Ministério Público. Segundo uma auditoria do TCE, o ex-prefeito teria feito despesas sem prévio procedimento licitatório, desperdiçado recursos públicos com obra inacabada, deixado de recolher contribuições patronais do INSS e apresentado outras falhas na prestação de contas.

“Os elementos trazidos aos autos demonstram a ocorrência de negligência da parte promovida na omissão da prática de ato de ofício, causando prejuízo do erário e importando em ofensas aos princípios da honestidade, legalidade e lealdade”, assinalou o juiz Mathews Francisco Rodrigues de Souza do Amaral, da Vara Única da Comarca de Água Branca.

No processo os advogados do ex-gestor questionaram a ação do MP. “O defendente não praticou qualquer ato de improbidade administrativa, não tendo agido em desconformidade com a lei, nem tendo causado qualquer prejuízo ao Erário Municipal”, argumentaram. Da decisão cabe recurso.

Confira a decisão na integra

Jornal da Paraíba 

Essa matéria já foi vista 32o

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.